quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Câncer de Próstata

Câncer de Próstata ( Neoplasia Maligna da Próstata)

Conceito:
Câncer de próstata é uma doença na qual ocorre o desenvolvimento de tumor na próstata, uma glândula do sistema reprodutor masculino. Ocorre quando as células da próstata sofrem mutações e começam a se multiplicar sem controle. Estas células podem se espalhar (metástase) a partir da próstata em direção a outras partes do corpo, especialmente ossos e linfonodos.

Revisão de Anatomia da Próstata
  • A próstata é uma glândula, com o tamanho de uma amêndoa e formato de uma maçã;
  • Ela está situada na parte baixa do abdômen, à frente do reto, sob a bexiga e envolve a uretra, o canal que permite o escoamento da urina.
  • A função principal da próstata é a de produzir uma parte do líquido seminal, fluido que compõe o esperma e uma enzima que ajuda na coagulação do sangue.
  • Possui dois tipos de tecido: o conjuntivo (dá sustentação e produz enzimas) e o glandular (produz o líquido prostático).
  • Na idade adulta, uma próstata normal pesa aproximadamente de 20 a 25 gramas com dimensões de aproximadamente 4 cm de largura, 3 cm de altura e 2 cm de espessura.


Incidência:
  • É o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de cânceres.
  • Sua taxa de incidência é cerca de seis vezes maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento.
  • Em 2014 estimam-se aproximadamente 68.800 mil novos casos de câncer de próstata no Brasil.
Fatores de Risco:
  • Idade avançada (acima de 50 anos),
  • Histórico familiar da doença,
  • Fatores hormonais e ambientais e certos hábitos alimentares (dieta rica em gorduras e pobre em verduras, vegetais e frutas baixam as defesas do corpo contra o câncer),
  • Sedentarismo e excesso de peso.
  • Os negros constituem um grupo de maior risco para desenvolver a doença.
Sintomas:
  • A maioria dos cânceres de próstata cresce lentamente e não causa sintomas;
  • Tumores em estágio mais avançado podem ocasionar dificuldade para urinar:
       ♦ Jato fino e fraco.
        ♦ Dificuldade para iniciar a micção.
        ♦ Gotejamento final.
        ♦ Sensação de bexiga cheia após a micção.
        ♦ Levantar várias vezes à noite para urinar.
        ♦ Urgência para urinar.
        ♦ Urinar muito frequentemente o dia todo.
  • Hematúria ( presença de sangue na urina);
  • Dor óssea (coluna, fêmur e bacia), principalmente na região das costas, devido à presença de metástases, é sinal de que a doença evoluiu para um grau de maior gravidade.
  • Perda de Peso
Diagnóstico:
  • Por meio de interrogatório clínico;
  • Exame laboratorial de PSA;
  • Toque Retal;
  • Ultrassom transretal ( detecta tumores pequenos ou que estejam localizados em áreas da próstata não alcançadas pelo toque retal.
  • Observação: Juntos, esses exames identificam até 98% dos tumores.
  • Caso sejam constatados aumento da glândula ou PSA alterado, deve ser realizada uma biópsia para averiguar a presença de um tumor e se ele é maligno.
Quem deve fazer exame de próstata:     
  • Todos os homens após os 45 anos.
  • Todos os homens após os 40 anos que tiverem antecedentes de câncer de próstata ou mama em parentes de primeiro grau.
O que é o PSA:
        ♦ Abreviação de Prostatic Specific Antigen.
        ♦ Em português: Antígeno Prostático Específico, uma proteína produzida pela próstata.
        ♦ Serve para avaliar a próstata e não exclusivamente o câncer.
        ♦ É um exame muito valioso para prevenção.
Pode estar alterado pelo aumento benigno ou maligno (câncer) da próstata. Cabe ao seu médico identificar o problema.
Fatores que agem alterando o valor do Exame de PSA:
  • Toque retal;
  • Relação sexual;
  • Esportes que tocam a próstata podem alterar o PSA sem causar doenças à próstata.
Por isso, devem ser evitados antes de colher os sangues para o exame.

Tratamento:
  • Cirurgia (prostatectomia radical);
  • Radioterapia;
  •  Hormonioterapia;
  • Quimioterapia.
Medidas Preventivas
  • Dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais e com menos gordura;
  • Consumir tomate;
  • Pelo menos 30 minutos diários de atividade física;
  • Manter o peso adequado à altura;
  • Diminuir o consumo de álcool;
  • Não fumar;
  • Homens a partir dos 45 anos devem realizar exames de rotina;
  • Quem tem histórico familiar da doença  iniciar os exames de rotina a partir dos 40 anos.
Prostatectomia
É a remoção cirúrgica de parte ou total da próstata
Fonte: www.youtube.com/watch?v=HNHe7fnNwuU

Indicações
  • Neoplasia Maligna da próstata
  • Hiperplasia benigna de próstata que chega a ponto de restringir o fluxo de urina através da uretra.
Tipos de Prostatectomia

Prostatectomia aberta:
 Procedimento cirúrgico que envolve uma incisão na pele e retirada do adenoma prostático. Dentro desta temos:

1. Prostatectomia Perineal radical: incisão feita no períneo, entre o reto e o escroto, e a próstata é removida;
2. Prostatectomia Repúbica Radical: incisão feita no abdome inferior e a próstata é removida saindo por trás do osso púbico ( retropúbica)
3. Prostatectomia Laparoscópica: está indicada no tratamento do câncer da próstata localizado em pacientes com expectativa de vida de pelo 10 anos.
É realizada com o paciente sob anestesia geral.
Habitualmente empregada cinco incisões no abdome e a próstata inteira é removida, preservando nervos que são mais facilmente lesados por uma abordagem perineal ou retropúbica e sendo mais econômica que a técnica cirúrgica auxiliada por um robô.
O maior problema durante a operação é o risco de sangramento pelas grandes veias em frente à próstata.
Um pouco de urina pode vazar no ponto de sutura entra a bexiga e uretra, mas isso logo para.
Dificuldade controlar a urina, pois existe uma relação entre os músculos da bexiga e a próstata, assim com a remoção da próstata vai afetar esses músculos. É muito comum acontecer isso, mas passa em de dois dias após a remoção cateter.

Complicações:
  • Incontinência urinária;
  • Disfunção erétil;
  • Formação de coágulos que podem obstruir o cateter, distender a cápsula prostática e provocar hemorragia.
Cuidados de enfermagem
  • Administrar e controlar hidratação oral ( soro e ingesta de líquidos);
  • Monitorar cateterismo vesical de demora, com controle de irrigação;
  • Observar sinais de hemorragia;
  • Manter acessos venosos;
  • Administrar medicamentos conforme prescrição;
  • Observar o curativo com frequência;
  • Remover suturas conforme prescrição;
  • Instruir o paciente na alta que não deverá dirigir automóveis por certo tempo, executar trabalhos ou exercícios que exijam muito esforços, e que qualquer sinal de sangramento, febre ou anormalidade deverá procurar o médico.
Leia Também:

Referências:
http://www2.inca.gov.br/
www.oncoguia.org.br
http://www.accamargo.org.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário