quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Lavagem Gástrica

LAVAGEM GÁSTRICA
Conceito:
Lavagem gástrica é um procedimento terapêutico, ao longo do qual se introduz uma sonda no interior do estômago, para se irrigar e aspirar o seu conteúdo. Apesar de este procedimento ser utilizado como preparação para a cirurgia gástrica e para alguns exames auxiliares de diagnóstico, é utilizada essencialmente no tratamento de intoxicações por via digestiva.

Objetivos:
  •   A retirada urgente de substância ingerida a fim de reduzir a absorção sistêmica;
  •  Administrar medicamentos, como carvão ativado, em alguns casos de intoxicação exógena, e a solução salina gelada, como método de resfriamento em situações de hipertermia maligna
  • Tratar uma obstrução ou um local de sangramento;
  • Obter conteúdos gástricos para análise laboratorial.

Indicação:
  • Tratamento das intoxicações exógenas;
  • Esvaziar o estômago em preparação para um exame endoscópico;
Contra- Indicação:
  • Depois de ingestão de substância corrosiva.
Responsabilidade:
  • Enfermeiro
  • Técnico de Enfermagem
  • Auxiliar de Enfermagem
Complicações:
  • Pneumonia aspirativa;
  • Laringoespasmo e lesões traumáticas da orofaringe, esôfago e/ou estômago;
  • Desequilíbrio hídrico (intoxicação hídrica e hiponatremia)
  •  Desequilíbrio eletrolítico (hipernatremia).
Material:
  • Sonda nasogástrica Levine de grosso calibre,
  • Gel hidrossolúvel ou Xilocaína
  • Luvas de procedimento,
  • Seringa de 20 ml com bico,
  • Estetoscópio,
  • Micropore.
Descrição do Procedimento:
Procedimento
Justificativa
01- Higienizar as mãos e colocar máscara;
01- Reduzir transmissão de microrganismos;
02- Conferir prescrição médica e reunir o material;
02- Evitar erros; facilitar a organização e o controle eficiente do tempo;
03- Orientar paciente e família sobre o procedimento;
03- Fazer com que o paciente e a família sejam mais cooperativos e tolerantes para um procedimento;
04-Isolar a cama com um biombo;
04- Resguardar a privacidade do paciente;
05- Posicionar o paciente em decúbito lateral esquerdo elevado com cabeça fletida;
05- Diminuir a passagem do conteúdo gástrico para o duodeno durante a lavagem gástrica;
06- Calçar luvas de procedimento;
06- Proporcionar barreira física entre as mãos e os fluidos corporais;
07-Inspecionar a condição da cavidade oral do paciente e o uso de próteses dentárias;

08-Colocar toalha ou papel-toalha sobre tórax do paciente;
08- Evitar de sujar o tórax do paciente;
09-Higienizar narina com SF 0,9% quando necessário;
09-Desobstruir e facilitar a boa visualização;
10- Medir a sonda a partir da narina, estendendo até o lóbulo da orelha e descendo em diagonal até o apêndice
xifoide, acrescentando a medida de dois dedos;
10- Mensurar o comprimento da sonda para localização no estômago;
11- Realizar a marcação do posicionamento ideal na sonda com micropore;

12- Lubrificar a sonda com gel hidrossolúvel;
12- Reduzir fricção e trauma;
13- Introduzir a sonda na narina do paciente até sentir uma pequena resistência nesse ponto, peça ao paciente para fletir ligeiramente a cabeça;
13- A resistência indica que a sonda atingiu a nasofaringe e ao fletir a cabeça ocorre o fechamento da traqueia e abertura do esôfago;
14-Quando possível, solicitar a colaboração do paciente, pedindo para que faça movimentos de deglutição;
14- Esse movimento ajuda a passagem da sonda;
15-Continuar introduzindo a sonda acompanhando os movimentos de deglutição do paciente até o ponto pré-marcado;

16- Realizar a fixação da sonda com micropore na narina do Paciente;
16- Evitar que a sonda fique mal posicionada;
17- Injetar ar com uma seringa de 20 ml e auscultar concomitantemente o epigástrico do paciente;
17/18-Confirmar o posicionamento da sonda no estômago;
18- Aspirar o conteúdo gástrico;

19- Administrar volumes fracionados de SF 0,9% conforme prescrição médica, permitindo retorno, até que o líquido instilado retorne claro e não se observe resíduos;

20- Drenar o volume infundido em sistema de drenagem;
20- Diminuir o risco de enchimento excessivo com a solução irrigante;
21- Aspirar  o volume e/ou ordenhar a sonda, se necessário;

22- Retirar a sonda e recolher o material;
22- Manter o ambiente em ordem;
23- Higienizar as mãos;
23- Reduzir transmissão de microrganismo;
24- Deixar o paciente confortável;
24- Demonstrar preocupação com o seu bem estar;
25- Realizar anotações de enfermagem pertinente à passagem da sonda, volume e aspecto do líquido drenado em prontuário.
25- Documentar o cuidado e subsidiar o tratamento;
Artigos 71 e 72 do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem (Responsabilidades e Deveres).

Observação:
  1. Em crianças, utiliza-se SF 0,9% aquecido a 38°C para evitar hipotermia.
  2. Durante a lavagem, observar o volume de retorno, que deverá ser o mesmo do infundido.
  3. Checar a necessidade de coleta de material para análise laboratorial, que deve anteceder a lavagem gástrica.
  4. Observar continuamente qualquer alteração de nível de consciência e monitorar frequentemente os sinais vitais, pois a resposta vagal natural à intubação pode deprimir a frequência cardíaca do paciente.
Referências:
POTTER, P. A.; ANNE, G. P. Fundamentos de enfermagem. Rio de janeiro: Elsevier,

CARMAGNANI, M. I.S. et al. Procedimentos de enfermagem: guia prático. Rio de janeiro: Guanabara Koogan

3 comentários: